PORQUE VOS ESCREVO?

Lisboa, 24 de agosto 2015

Caras e Caros Amigos, 

PORQUE VOS ESCREVO?

A 4 de outubro, temos eleições e sinto que é meu dever alertar para a sua importância, explicar o que defendo para Portugal, responder a dúvidas que sei muitos terão.

Como autarca, habituei-me a fazer isto no dia-a-dia, nas reuniões públicas de câmara ou na rua. Agora, em eleições nacionais, é mais difícil e provavelmente não terei oportunidade de falar pessoalmente com muitos de vós nas próximas semanas. Por isso, decidi ter uma conversa convosco através desta carta. Proponho-vos que mantenhamos aqui esta conversa, que será feita em vários capítulos, durante os próximos dias.

A proximidade, o diálogo permanente, a vontade de ouvir, o empenho em explicar, são decisivos para criarmos um laço de confiança – e a confiança é essencial para a nossa mobilização coletiva pelo futuro de Portugal.

Estes anos têm sido muito duros para as pessoas, as famílias e as empresas, feriram-nos na nossa auto estima coletiva, puseram em causa a confiança que depositávamos nas instituições , geraram o sentimento de abandono em muitos territórios, provocaram a descrença no projeto europeu, trouxeram o sobressalto e a instabilidade para o quotidiano, a perda de pensões para os idosos, a precarização para os jovens, a ameaça do desemprego para todos. Foram anos de grande retrocesso económico e social.

Mas, mesmo assim, muitos se interrogam: vale a pena votar? Para quê?, perguntam. Será que é possível governar de forma diferente? Afinal, o que querem fazer de diferente? Este é o principal expediente da direita: levar as pessoas a admitir a fatalidade, a inevitabilidade, a impossibilidade de mudar. Recuso esta visão e este fatalismo sem alternativa. Digo, com convicção e com realismo: é possível fazer diferente e fazer melhor, como mostramos desenvolvidamente nos nossos diferentes textos programáticos.

Estas eleições são, de facto, decisivas por 4 razões.

Primeira, porque temos de vencer a depressão, a descrença, a resignação um sentimento de decadência nacional e reconstruirmos um sentimento de esperança coletiva no nosso futuro comum. Temos de iniciar um novo ciclo, com novos protagonistas e uma nova visão para o país.

Segunda, porque há duas opções de fundo que estão em confronto: sobre o nosso modelo de desenvolvimento – assente no conhecimento e inovação, contra a precarização e o empobrecimento – e sobre o nosso modelo social – na garantia da sustentabilidade da segurança social, na defesa do SNS e da valorização da escola pública, contra a ameaça da privatização dos serviços públicos e da destruição do Estado social;

Terceira, porque temos de virar a página da austeridade para relançar a economia, criar emprego de qualidade e com futuro, sanear as nossas finanças públicas.

Quarta, porque temos de reassumir uma postura ativa na Europa, sem submissão nem aventureirismos, que nos permita retomar a convergência e fortalecer a nossa posição no euro.

É sobre estas quatro questões que vos quero falar nos próximos dias.

Até amanhã, com os meus melhores cumprimentos,

António Costa

Maria da Luz Rosinha, Candidata a Deputada à Assembleia da República pelo Círculo de Lisboa

Caras e Caros Camaradas e Amigos,


Estamos a aproximar-nos rapidamente do momento de escolha para um novo governo para Portugal, um novo governo tem de significar obrigatoriamente novas políticas.


Não é possível mantermo-nos num estado de letargia em que a desgraça se torna inevitável e tudo o que nos prometeram e não cumpriram parece já ter passado à estória, porque nos estão os mesmos a prometer de novo, mesmo que agora diariamente desmentidos e contrariados pelas entidades oficiais e até pelo FMI, a que eles se subjugaram e ufanaram de ir para além das medidas impostas.


O que se passa connosco? Sabemos que as dificuldades vividas nos últimos tempos foram grandes, mas não é verdade que as dificuldades obrigam a decisões firmes, a fazer rupturas com a continuidade e novas escolhas que nos deem maior CONFIANÇA? Então é urgente tomar uma atitude, porque depois de 4 de Outubro se tudo continuar entregue ao PSD/CDS sabemos de antemão o que vai acontecer. O medo nunca pode ser uma razão que nos tolha a vontade de escolher uma melhor alternativa para Portugal e para os Portugueses.


Essa alternativa passa por António Costa e pelo Partido Socialista.


E porque acredito que os portugueses tem direito a outras políticas em que as Pessoas tenham prioridade e maior atenção, aceitei candidatar-me a deputada, porque sei que o Partido Socialista pode fazer a diferença a favor das Pessoas.


Após dezasseis anos ao serviço do meu Município, que foi uma Missão que meu deu muitas alegrias, porque juntamente com as Pessoas foi possível mudar a face de um Concelho e ajudar muitas a viver melhor, pretendo com a mesma dedicação e disponibilidade na Assembleia da República contribuir de forma efetiva para que os reais problemas das populações possam ser ouvidos e atendidos.


Para que efetivamente se consagre uma ALTERNATIVA é necessário vencer a indiferença, é necessário assumir que nem tudo e está perdido e que as PESSOAS tem direito a um Futuro Melhor , Futuro esse que passa pelo Partido Socialista à frente dos destinos de Portugal com António Costa como Primeiro Ministro.

 

Com amizade,
Maria da Luz Rosinha

Maria da Luz Rosinha, Ana Sofia Antunes e João Pedro Baião integram lista de candidatos a Deputados à Assembleia da República pelo círculo eleitoral de Lisboa

O Partido Socialista apresentou e tornou pública a lista candidata a Deputados à Assembleia da República pelo círculo eleitoral de Lisboa, que será encabeçada por António Costa, Secretário-Geral do PS.

A lista final integra dois militantes e uma independente do Concelho de Vila Franca de Xira: Maria da Luz Rosinha, Secretária Nacional para as Autarquias do Partido Socialista, Ana Sofia Antunes, independente e Presidente da Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) e João Pedro Baião, Presidente da Juventude Socialista da Concelhia de Vila Franca de Xira e dirigente nacional do PS.


Pode entrar em contacto com os candidatos através de Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.